Etnografando Helena: um caso de invenção de exclusão escolar

Conteúdo do artigo principal

Leonardo Carbonieri Campoy
https://orcid.org/0000-0002-2686-0768
Sarha Cardoso

Resumo

Ao ser identificada como uma criança com problemas de aprendizado, Helena e sua família são lançadas em uma longa e incerta jornada em busca de um diagnóstico para a condição da menina. Acompanhamos esse processo por meio de uma etnografia baseada em observações, conversas com os protagonistas e uma análise de documentos médicos e escolares. A história de Helena serve como elemento empírico para uma reflexão crítica acerca da cultura da escolarização contemporânea. Argumentamos que os problemas de aprendizado da menina são indícios de um modelo escolar incapaz de lidar com as diferenças de subjetividades. A escola contemporânea ainda apresenta marcas de uma instituição fundada, no século XIX, sob o propósito da disciplinarização. Assim, a história de Helena é um caso que permite refletir sobre a inclusão escolar a contrapelo, isto é, por meio do entendimento dos mecanismos simbólicos e práticos que realizam a exclusão escolar. Como argumento conclusivo, o artigo aponta para as potencialidades que as etnografias e as subjetividades podem oferecer aos estudos de inclusão e de exclusão escolares.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
CAMPOY, L. C.; CARDOSO, S. Etnografando Helena: um caso de invenção de exclusão escolar. Olhar de Professor, [S. l.], v. 24, p. 1–23, 2021. DOI: 10.5212/OlharProfr.v.24.18451.094. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/18451. Acesso em: 14 jun. 2024.
Seção
Educação Inclusiva: pesquisas, políticas e práticas pedagógicas
Biografia do Autor

Leonardo Carbonieri Campoy, Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR

[1] Doutor em Sociologia e Antropologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor de Antropologia na PUCPR e no Profsocio-UFPR.

Sarha Cardoso, PUC-PR

Graduanda em Licenciatura em Ciências Sociais na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Professora de Sociologia no Ensino Médio da rede pública de ensino do Paraná.

Referências

COHN, C. Antropologia da criança. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.
COSTA, D.; PAULA, J.; MALLOY-DINIZ, L.; ROMANO-SILVA, M.; MIRANDA, D. Avaliação do instrumento SNAP-IV pelos pais no transtorno de déficit de atenção/hiperatividade: acurácia em uma amostra clínica de TDAH, validade e confiabilidade em uma amostra brasileira. Jornal de Pediatria, v. 95, n. 6, 2019. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0021755718304716. Acesso em: 15 jul. 2021.
DAS, V. Vida e palavras: a violência e sua descida ao ordinário. São Paulo: Editora Unifesp, 2020.
DURKHEIM, É. Educação e sociologia. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2013.
ERIKSEN, T. H.; NIELSEN, F. S. História da antropologia. Petrópolis: Editora Vozes, 2013.
FOUCAULT, M. O governo de si e dos outros. São Paulo: Martins Fontes, 2010.
_______. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.
GAMA, F. A autoetnografia como método criativo: experimentações com a esclerose múltipla. Anuário Antropológico, v .45, n. 2, 2020. Disponível em: http://journals.openedition.org/aa/5872. Acesso em: 15 jul. 2021
IILICH, I. Deschooling society. Nova York: Harper Colophon, 1970.
SIBILIA, P. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.
SPIVAK, G. C. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.
TASSINARI, A. I. A sociedade contra a escola. In: Educação Indígena: Reflexões sobre noções nativas de infância, aprendizagem e escolarização. Florianópolis: Editora da UFSC, 2012.
PEIRANO, M. Etnografia não é método. Horizontes antropológicos, Porto Alegre, v. 20, n. 42, p. 377-391, dez. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010471832014000200015&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 03 jul. 2021.
PIRES, F. O que as crianças podem fazer pela antropologia? Horizontes antropológicos, Porto Alegre, v. 16, n. 34, p. 137-157, dez. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010471832010000200007&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 14 jul. 2021.