Base Nacional Comum Curricular na Formação Inicial de Professores de Química: o que pensam os licenciandos

Conteúdo do artigo principal

Ms. Fernanda Welter Adams
https://orcid.org/0000-0003-4935-5198
Prof. Dr. Rafael Moreira Siqueira
https://orcid.org/0000-0002-9032-5831
Dr. Edilson Fortuna de Moradillo
https://orcid.org/0000-0001-5457-3718

Resumo

Sujeitos sociais atuantes e políticos são formados por meio de uma educação que permita a apropriação do legado histórico-social produzido pela humanidade, entretanto, o acesso a esses conhecimentos vem sendo negado/minimizado por meio de documentos como a BNCC, que influenciam também a formação de professores. Assim, problematizamos: qual o conhecimento sobre a BNCC e sobre os possíveis impactos em sua formação e na Educação Básica os licenciandos em Química na UFBA apresentam? Este artigo tem como objetivo analisar o conhecimento de Licenciandos em Química da UFBA frente à implementação da BNCC na Educação Básica. Trata-se de uma pesquisa qualitativa tendo o questionário como instrumento de coleta de dados. Responderam 24 licenciandos que já haviam feito uma leitura/discussão do documento e citaram principalmente a sua organização em competências. Observamos a importância da discussão sobre a BNCC de forma crítica com licenciandos, levando-os a evidenciar o esvaziamento do conteúdo científico e a compreender que a formação por competências não objetiva a humanização dos sujeitos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
ADAMS, F. W.; SIQUEIRA, R. M. .; MORADILLO, E. F. de. Base Nacional Comum Curricular na Formação Inicial de Professores de Química: o que pensam os licenciandos. Olhar de Professor, [S. l.], v. 25, p. 1–26, 2022. DOI: 10.5212/OlharProfr.v.25.20410.065. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/20410. Acesso em: 6 fev. 2023.
Seção
A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) no contexto das reformas educacionais
Biografia do Autor

Ms. Fernanda Welter Adams, Secretaria Municipal de Educação de Catalão - GO

Tutora Presencial do Curso de Formação Pedagógica do Instituto Federal Goiás. Mestre em EducaTutora Presencial do Curso de Formação Pedagógica do Instituto Federal Goiás. Mestre em Educação pelo programa de Pós-Graduação da Universidade Federal de Goiás/Regional Catalão com pesquisa na linha Práticas Educativas, Políticas Educacionais e Inclusão. Atua no Grupo de Pesquisa Núcleo de Pesquisa em Práticas Educativas e Inclusão (Neppein). Especialista em "Metodologias do Ensino da Química" pela AVM Faculdade Integrada. Licenciada em Química pela Universidade Federal de Goiás/Regional Catalão. Licenciada em Pedagogia pelo Instituto Maximus.

Prof. Dr. Rafael Moreira Siqueira, Universidade Federal da Bahia - UFBA

Possui graduação em Química - Licenciatura - pela Universidade Federal de Minas Gerais, mestrado em Ciências, na área de Física e Química de Materiais na Universidade Federal de São João Del Rei, e Doutorado em Ensino, Filosofia e História das Ciências na Universidade Federal da Bahia. É Professor Adjunto na Universidade Federal da Bahia (UFBA), da área de Ensino de Química. Já atuou como Professor na UFRB, no qual atuou como Coordenador de Gestão do PIBID/UFRB e como vice-coordenador do Curso de Licenciatura de Química da UFRB. Membro do PEQUI - Grupo de Pesquisa, Extensão e Educação em Ensino de Química. Tem experiência em ensino de Química a nível superior (educação presencial e a distância), médio e pré-vestibular, bem como em indústria química como Químico de Desenvolvimento. Como principais áreas de pesquisa, situam-se: ensino de Química, currículo, pedagogia histórico-crítica, formação de conceitos, alfabetização e divulgação científica, formação de professores de Ciências/Química.

Dr. Edilson Fortuna de Moradillo, Universidade Federal da Bahia - UFBA

Técnico em Química pela Escola Técnica Federal da Bahia. Bacharel em Química pela Universidade Federal da Bahia (1981). Especialista em Química Analítica pela UFBA. Especialista em Química pela UFBA. Licenciado em Química pela UFBA. Doutor em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela UFBA/Uefs. Pós-Doutorado em Educação/UFBA, Pós-Doutorado em Educação em Ciências/Uesc, Pós-Doutorado na Faculdade de Letras, Departamento de Filosofia da Universidade de Lisboa/FLUL e Pós- Doutorado em Educação na Universidade Federal de Santa Catarina/Ufsc. Atualmente é professor Titular do Instituto de Química da UFBA, da Faculdade de Educação da UFBA e do Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências da UFBA/Uefs. Membro do Grupo de Pesquisa em Ensino de Ciências e Formação de Professores - UFBA, do GEPEC: Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação do Campo da UFBA e do Grupo de Pesquisa em Ensino Concreto de Ciências (ENCONCiÊNCIAS) da UFBA.

Referências

ANUNCIAÇÃO, B. C. P. Ensino de química na perspectiva histórico-crítica: análise de uma proposta de mediação didática contextual na educação do campo. 2012. Dissertação (Mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências), Universidade Federal da Bahia/Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador, 2012.

ANUNCIAÇÃO, B. C. P. A Pedagogia Histórico-Crítica na formação inicial de professores de Química na UFBA: limites e possibilidades no estágio curricular. 2014. Tese (Doutorado em Ensino, Filosofia e História das Ciências), Universidade Federal da Bahia/Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador, 2014.

BAZZO, V.; SCHEIBE, L. De volta para o futuro... retrocessos na atual política de formação docente. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 27, p. 669-684, set./dez. 2019. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/1038. Acesso em: 25 abr. de 2022.

BELLAS. R. R. D. O ensino e a aprendizagem do conceito químico de substância. 2012. Dissertação (Mestrado em Ensino, História e Filosofia da Ciência), Universidade Federal da Bahia/Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador, 2012.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação Qualitativa em Educação - uma introdução à teoria e aos métodos. Tradução Marie João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Portugal: Porto Editora, 1994.

BRANCO, E. P.; BRANCO, A. B. G.; IWASSE, L. F. A.; ZANATTA, S. C. BNCC: a quem interessa o ensino de competências e habilidades? Revista Debates em Educação, v. 11, n. 25, set./dez. 2019.

BRANCO, E. P.; ZANATTA, S. C. BNCC e Reforma do Ensino Médio: implicações no ensino de Ciências e na formação do professor. Revista Insignare Scientia, v. 4, n. 3, 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs): Química. MEC/SEF, 1999.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 20 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 26 abr. de 2022.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. PCN + Ensino Médio: Orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEMTEC, 2002.

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº 4, de 13 de julho de 2010. Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Brasília, DF, 2010. Disponível em: http://www.crmariocovas.sp.gov.br/Downloads/ccs/concurso_2013/PDFs/resol_federal_04_14.pdf. Acesso em: 13 mar. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 2, de 30 de janeiro de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=9864-rceb002-12&category_slug=janeiro-2012-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 13 mar. 2022.

BRASIL. Lei n.13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 26 jun 2014. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/. Acesso em: 13 mar. 2022

BRASIL. Lei n. 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis N.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei Nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei Nº 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei Nº 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Brasília, DF, 2017b. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/L13415.htm. Acesso em: 20 dez. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: ensino médio. Brasília, DF, 2018a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=85121-bncc-ensino-medio&category_slug=abril-2018-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 13 mar. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 1.432, de 28 de dezembro de 2018b. Estabelece os referenciais para elaboração dos itinerários formativos conforme preveem as Diretrizes Nacionais do Ensino Médio. Diário Oficial da União: seção 1, p. 94, 28 dez. 2018b. Disponível em: https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/70268199. Acesso em: 24 abr. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução n. 3, de 21 de novembro de 2018c. Atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial da União: seção 1, p. 21, 22 nov. 2018c. Disponível em: https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/51281622. Acesso em: 24 abr. 2022.

CUNHA, M. B. M. Formação de Professores e Professoras no Curso de Licenciatura em Educação do Campo/UFBA: área de Ciências da Natureza e Matemática. 2014. 198 f. Tese (Doutorado em Ensino, Filosofia e História das Ciências), Universidade Federal da Bahia/Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador, 2014.

COSTA, R. Estado, políticas de educação e ensino: em debate a base nacional comum curricular (2015-2017). 2018. 161 f. Monografia (Graduação em Pedagogia) - Universidade Estadual do Paraná, Paranavaí, PR, 2018.

D’AVILA, J. B. As influências dos agentes públicos e privados no processo de elaboração da base nacional comum curricular. 2018. 131 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual do Centro-Oeste, Guarapuava, 2018.

DELLA FONTE, S. S. Fundamentos teóricos da pedagogia histórico-critica. In: MARSIGLIA, A. C. G. (org.) Pedagogia Histórico-Crítica: 30 anos. 1. ed. Campinas: Autores Associados, 2011. p. 23-42.

DUARTE, N. (org.). Crítica ao fetichismo da individualidade. Campinas: Autores Associados, 2004.

DUARTE, N. Os conteúdos escolares e a ressurreição dos mortos: contribuição à teoria histórico-crítica do currículo. Campinas, SP: Autores Associados, 2016.

EVANGELISTA, O. (org.) O que revelam os slogans na política educacional. 1. ed. Araraquara: Junqueira e Marin, 2014.

FARIAS, I. M. S. O discurso curricular da proposta para BNC da formação de professores da educação básica. Retratos da Escola, v. 13, n. 25, p. 155-168, 2019.

FEITOSA, L. R. A. A Base Nacional Comum Curricular e o Ensino de Química: Uma análise através das Ideias Pedagógicas e a Teoria do Cotidiano. 2019. 78 f. Monografia (Graduação em Licenciatura em Química), Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2019.

FREITAS, L. C. BNCC americana: uma década perdida. Blog de Luiz Carlos de Freitas. 18 jun. 2021. Disponível em: https://avaliacaoeducacional.com/2021/07/18/bncc-americana-uma-decada. Acesso em: 15 dez. 2021.

FREITAS, L. C. Três teses sobre as reformas empresariais da educação: perdendo a ingenuidade. Cadernos Cedes, v. 36, n. 99, p. 137-153, 2016.

FRIGOTTO, G. Reforma do ensino médio do (des) governo de turno: decreta-se uma escola para os ricos e outra para os pobres. Movimento - Revista de Educação, v. 3, n. 5, p. 329-332, 2016.

GALVÃO, A. C.; LAVOURA, T. N.; MARTINS, L. M. Fundamentos da didática histórico-crítica. Campinas: Autores Associados, 2019.

GONÇALVES, S. R. V.; MOTA, M. R. A.; ANADON, S. B. A Resolução CNE/CP n. 2/2019 e os retrocessos na formação de professores. Revista Formação em Movimento, v. 2, n. 4, p. 360-379, 2020.

KUENZER, A. Conhecimento e competências no trabalho e na escola. Boletim Técnico do Senac, v. 28 n. 2, 2002.

LIMA, L. R. F. C. A Ludicidade na Formação de Professores de Química: princípios para uma perspectiva crítica. 2021. 188 f. Tese (Doutorado em Ensino, Filosofia e História das Ciências, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2021.

MACEDO, E. Base Nacional Curricular Comum: a falsa oposição entre conhecimento para fazer algo e conhecimento em si. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 32, n.02, p. 45-67, abr./jun. 2016.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

MENDES, M. P. L. Transformação da Matéria: uma abordagem sócio-histórica do conceito moderno de Transformação Química. 2018. 139 f. Tese (Doutorado em Ensino, Filosofia e História das Ciências) Universidade Federal da Bahia/Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador, 2018.

MESSEDER NETO, H. S.; MORADILLO, E. F. Uma análise do materialismo histórico-dialético para o cenário da pós-verdade: contribuições histórico-críticas para o ensino de Ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 37, n. 3, p. 1320-1354, 2020.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. Tradução Isa Tavares. São Paulo: Boitempo, 2005.

MINTO, L. W. A Educação da Miséria: particularidade capitalista e ensino superior no Brasil. São Paulo: Outras Expressões, 2014.

MORADILLO, E. F. A dimensão prática na licenciatura em química da UFBA: possibilidades para além da formação empírico-analítica. 2010. 267f. Tese (Doutorado em Ensino, Filosofia e História das Ciências) Universidade Federal da Bahia/Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador. 2010.

MORADILLO, E. F.; MESSEDER NETO, H. S.; LIMA, L. R. F. C. A Pedagogia Histórico-Crítica e a Formação do Professor de Química. In: Encontro Internacional, Trabalho e Perspectiva de Formação dos Trabalhadores: Ecos de 2017: educação para emancipação humana, formação para o trabalho e as lutas sociais, 5., Fortaleza. Anais [...] Fortaleza: UFC, 2017.

MORADILLO, E. F., MESSEDER NETO, H. S. M., MASSENA, E. P. Ciências da Natureza na Educação do Campo: em defesa de uma abordagem sócio-histórica. Revista Brasileira de Educação do Campo, v. 2 n. 3, p. 991-1019, jul./dez. 2017.

NASCIMENTO, F.; FERNANDES, H. L.; MENDONÇA, V. M. O ensino de ciências no Brasil: história, formação de professores e desafios atuais. Revista HISTEDBR On-line, v. 10, n. 39, p. 225–249, 2012.

PINHEIRO, R. S. G.; NASCIMENTO, M. T. Análise do currículo referência de Química de uma rede estadual de Educação. Ciência & Educação, Bauru, v. 24, n. 3, p. 659-675, 2018.

REBOUL, O. O Slogan. Tradução de Ignácio Assis Silva. São Paulo: Editora Cultrix, l975. p.165.

ROCHA, N. F. E. Base Nacional Comum Curricular e micropolítica: analisando os fios condutores. 2016. 181 f. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2016.

ROSA, M. I.; ROSSI, A. V. (org.). Educação química no Brasil: memórias, políticas e tendências. Campinas: Átomo, 2008.

SANTOS, M. S.; MORADILLO, E. F. A formação de professores em química e o materialismo histórico dialético. In: Encontro Internacional, Trabalho e Perspectivas de Formação dos Trabalhadores: Ecos de 1917: educação para emancipação humana, formação para o trabalho e as lutas sociais, 5., Fortaleza.. Anais [...] Fortaleza: UFC, 2017.

SAVIANI, D. Antecedentes, origem e desenvolvimento da pedagogia histórico-crítica. In: MARSIGLIA, A. C. (org). Pedagogia histórico-crítica: 30 anos. Campinas: Autores Associados, 2011.

SAVIANI, D. Educação escolar, currículo e sociedade: o problema da Base Nacional Comum Curricular. Movimento – Revista de Educação, v. 3, n. 4, 2016, p. 54-84.

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-Crítica, quadragésimo ano: novas aproximações. Campinas, SP: Autores Associados, 2019.

SAVIANI, D. Sistema nacional de educação e plano nacional de educação. Campinas: Autores Associados, 2014. 118 p.

SCHNETZLER, R. A pesquisa no ensino de química e a importância da Química Nova na Escola. Química Nova na Escola, n. 20, p. 49-54, 2004.

SIQUEIRA, R. M. Currículo e Políticas Curriculares para o Ensino Médio e para a disciplina Química no Brasil: uma análise na perspectiva histórico-crítica. 2019. 253 f. Tese (Doutorado em Ensino, Filosofia e História das Ciências), Universidade Federal da Bahia/Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador, 2019.

SIQUEIRA, R. M., MORADILLO, E. F. As Ciências da Natureza na BNCC Para o Ensino Médio: Reflexões a Partir da Categoria Trabalho Como Princípio Organizador do Currículo. Revista Contexto & Educação, v. 37, n. 116, p. 421–441, 2022.

SIQUEIRA, R. M.; MORADILLO, E. F.; CUNHA, M. B. M. O Ensino Médio e a disciplina Química no Brasil: uma análise crítico-dialética do Currículo e das Políticas Curriculares no período pós-redemocratização. Debates em Educação, Maceió, v. 12, p. 346-370, 2020.

SILVA, J. L. P. B. et al. A dimensão prática da formação na Licenciatura em Química da Universidade Federal da Bahia. In: ECHEVERRÍA, A.; ZANON, L. B. (org.). Formação superior em Química no Brasil. 2. ed. Ijuí: Unijuí, 2016.

TONET, I. Educação contra o capital. 3. ed. ampliada, São Paulo, 2016.

TONET, I. Método científico: uma abordagem ontológica. São Paulo: Instituto Lukács, 2013.

TOZONI-REIS, M. F. C. Metodologia da Pesquisa Científica. Curitiba: IESDE Brasil, 2009.

ZANK, D. C. T.; MALANCHEN, J. A Base Nacional Comum Curricular do ensino médio e o retorno da pedagogia das competências: uma análise baseada na pedagogia histórico-crítica. In: MALANCHEN, J.; MATOS, N. da S. D.; ORSO, P. J. (org.) A Pedagogia Histórico-Crítica, as Políticas Educacionais e a Base Nacional Comum Curricular, Campinas, SP: Editora Autores Associados, 2020, p. 131-160.