Tecnologias Digitais na Educação e BNCC: proposta do Aluno-Ciborgue-Hacker

Conteúdo do artigo principal

Mestre José Raimundo Silva Costa
https://orcid.org/0000-0002-5133-8170
Dr.ª Viviane Toraci Alonso de Andrade
https://orcid.org/0000-0002-7342-3931

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar a influência das práticas discursivas neoliberais presentes na composição da BNCC e a configuração de um ‘tipo ideal’ de estudante/trabalhador-empreendedor inserido em uma Cultura Digital. O delineamento teórico metodológico que orienta a presente reflexão se ancora numa perspectiva de natureza qualitativa e pesquisa bibliográfica quanto ao seu procedimento. Defenderemos uma outra possibilidade de apropriação das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação na educação para além da instrumentalização técnica, apresentando a posição contra hegemônica do Aluno-Ciborgue-Hacker.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
COSTA, J. R. S.; ANDRADE , V. T. A. de. Tecnologias Digitais na Educação e BNCC: proposta do Aluno-Ciborgue-Hacker. Olhar de Professor, [S. l.], v. 25, p. 1–20, 2022. DOI: 10.5212/OlharProfr.v.25.20526.062. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/20526. Acesso em: 6 fev. 2023.
Seção
A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) no contexto das reformas educacionais
Biografia do Autor

Mestre José Raimundo Silva Costa, Fundação Joaquim Nabuco - FUNDAJ

Possui Graduação em História pela Universidade Estadual de Feira de Santana e Mestrado Profissional de Sociologia (PROFSOCIO/FUNDAJ). Especialização em Artes e Tecnologia (UAEDTec/UFRPE). Mestrado em Economia Doméstica - Área de Concentração Economia Familiar pela Universidade Federal de Viçosa/MG, Tem experiência de ensino como Professor substituto de Antropologia e Sociologia da Universidade Federal de Viçosa (03/2005 - 03/2007) e na Fundação Presidente Antônio Carlos FUPAC/ UBÁ /MG (03/2004 - 07/2016) nos cursos de graduação em Pedagogia, Serviço Social, Psicologia, Administração, Direito, nas disciplinas de Pensamento Social, Sociologia, Filosofia, Antropologia e Educação e Novas Tecnologias. Em cursos de Pós-graduação possui experiência na área de "Família: Aspectos Teórico-conceituais" UNIVIÇOSA/2009 e como Professor Formador nas disciplinas Metodologia de Pesquisa e Políticas Públicas e Gênero na Especialização em Gestão de Políticas Públicas em Gênero e Raça /GPP-GeR/UFV (2010-2015), Curso de Especialização Lato Senso em Gestão Escolar/UFV (2013-2015) e como Tutor a Distância no curso de Especialização em Gestão Pública (EAD) do IFPE (2018.) e Tutor Presencial do Curso de Licenciatura em Artes Visuais com ênfase em Digitais / EADTEC / UFRPE (2018-2019) e na Coordenação de Tutoria do Curso Licenciatura em Matemática UAB/IFPE (2019-2020) .A partir de uma proposta interdisciplinar, coordenou os Cursos de Extensão: ?Estudos Interdisciplinares sobre: Cinema e Patrimônio: A Diversidade Cultural?? (2014), e ?Estudos Interdisciplinares sobre: Cinema, Diversidade Cultural e a Formação da Identidade Brasileira? (2015), na Fundação Presidente Antônio Carlos / Ubá /MG.

Dr.ª Viviane Toraci Alonso de Andrade , Fundação Joaquim Nabuco - FUNDAJ

Doutora em Comunicação pela Universidade Federal de Pernambuco (2014), mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFPE (2004) e graduada em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda pela UFPE (2000). Desde fevereiro de 2007, é servidora concursada da Fundação Joaquim Nabuco, lotada desde 2015 na Diretoria de Formação Profissional e Inovação (DIFOR). Coordenadora 2016/2019 do Programa Institucional Valorização Docente na Educação Básica. Professora e coordenadora do Mestrado Profissional de Sociologia em Rede Nacional (ProfSocio) na Fundação Joaquim Nabuco (2020-2021), coordenadora do Laboratório Multiusuários em Humanidades (multiHlab) e coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas, Práticas e Conteúdos curriculares em Humanidades na escola (gePecH). Atua com pesquisas nas áreas de Divulgação Científica, Ciência Aberta e Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação na Educação.

 

Referências

ADIRÃO, T.; PERONI, V. A formação das novas gerações como campo para os negócios? In: AGUIAR M. ; DOURADO L. (org.) A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: Avaliação e perspectivas. Recife: ANPAE, 2018.

ALVES, G. Dimensões da Reestruturação Produtiva: ensaios de sociologia do trabalho. Londrina: Práxis; Bauru: Canal 6, 2007.

ANTUNES, R.; BRAGA, R. Infoproletários: degradação real do trabalho virtual. São Paulo: Boitempo Editorial, 2009.

APPLE M. W. Políticas Culturais e Educação. Porto: Porto Editora, 1999.

BONILLA, M. H.; PRETTO, N. Política educativa e cultura digital: entre práticas escolares e práticas sociais. Perspectiva, Florianópolis, v. 33, n. 2, p. 499-521, maio/ago. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF, 2018.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília: Editora UNB, 2001.

FERNÁNDEZ, M. E. A face oculta da escola: educação e trabalho. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

FRIGOTTO, G. Educação e a Crise do Capitalismo Real. São Paulo: Cortez, 2010.

HARAWAY, D. J. Manifesto ciborgue: Ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In: TADEU, T. (org). Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte, MG: Autêntica Editora, 2013, p. 33-118.

HIMANEN, P. A Ética dos Hackers e o Espírito da Era da Informação. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2001.

HOQUET, T. Filosofia Ciborgue: Pensar contra os dualismos. São Paulo: Perspectiva, 2019.

INEP. Novas Competências da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). 2022. Disponível em: http://inep80anos.inep.gov.br/inep80anos/futuro/novas-competencias-da-base-nacional-comum-curricular-bncc/79. Acesso em 20 out. 2022.

KRAWCZYK, N. Brasil – Estados Unidos: A trama de relações ocultas na destruição da

escola pública. In: KRAWCZYK, N. (org.). Escola pública: tempos difíceis, mas não

impossíveis. Campinas, SP: FE/UNICAMP; Uberlândia: Navegando, 2018, p. 59-72.

KUENZER, A. Exclusão includente e inclusão excludente: a nova forma de dualidade

estrutural que objetiva as novas relações entre educação e trabalho. In: SAVIANI, D.; SANFELICE,

J.L.; LOMBARDI, J.C. (org.). Capitalismo, trabalho e educação. 3. ed. Campinas: Autores

Associados, 2005. p. 75-96.

LAVAL, C. A Escola não é uma empresa: o neoliberalismo em ataque ao ensino público. São Paulo: Boitempo, 2019.

LAVAL. C. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

LEMOS, A.; SEARA, S.; PÉRSIO, W. Hackers no Brasil. Revista Contracampo, n. 6, p. 21-42, 2002. Disponível em: https://periodicos.uff.br/contracampo/article/view/17322. Acesso em: 12 fev. 2022.

OCDE. Melhores competências, melhores empregos, melhores condições de vida: Uma

abordagem estratégica das políticas de competências. Publicações da OCDE, 2014. Disponível em: http://www.institutoalianca.org.br/new/biblioteca.pdf . Acesso em: 18 jul. 2022.

OCDE. O Capital Humano: Como o seu conhecimento compõe a sua vida. Publicações OCDE, 2007. Disponível em: https://www.oecd.org/insights/38435906.pdf . Acesso em: 18 jul. 2022.

PEREIRA, R. da S. Proposições da OCDE para América Latina: o Pisa como instrumento de padronização da educação. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp.3, p. 1717–1732, 2019. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12756. Acesso em: 07 abr.2022.

PRETTO, N. Educações, culturas e hackers: escritos e reflexões. Salvador: EDUFBA, 2017.

RAMOS, M. N. Pedagogia das Competências: autonomia ou adaptação? São Paulo: Cortez, 2006.

SILVA, T. T. Monstros, ciborgues e clones: os fantasmas da Pedagogia Crítica In: SILVA, T. T. (org.). Pedagogia dos monstros: os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.