As linguagens expressivas e a Pesquisa Narrativa (auto)biográfica: contribuições para a formação docente dos professores e professoras da educação infantil

Main Article Content

Penha Mabel Farias do Nascimento
Eda Maria de Oliveira Henriques

Resumo

O trabalho traz relato de uma pesquisa de doutorado em andamento desde 2017 e discute os diálogos possíveis entre as linguagens expressivas ou poéticas (a arte e o brincar) com a Pesquisa Narrativa (auto)biográfica como pressupostos teóricos e metodológicos fundamentais para o processo de formação, continuada ou em serviço, de professoras e professores na educação infantil de uma rede municipal de educação, considerando, nesse contexto, a dimensão estética. Posteriormente, além de descrever os procedimentos metodológicos realizados, apresentamos algumas narrativas docentes e nossas primeiras reflexões sobre a relação entre formação (autoformação, narrativas e experiências estéticas) e suas repercussões no trabalho pedagógico desenvolvido pelos professores e professoras.

Metrics

Carregando Métricas ...

Article Details

Como Citar
NASCIMENTO, P. M. F. DO; HENRIQUES, E. M. DE O. As linguagens expressivas e a Pesquisa Narrativa (auto)biográfica: contribuições para a formação docente dos professores e professoras da educação infantil. Olhar de Professor, v. 24, p. 1-18, 4 set. 2021.
Seção
Práticas artísticas contemporâneas, crianças e docência: experiências estéticas
Biografia do Autor

Penha Mabel Farias do Nascimento, Universidade Federal Fluminense - UFF

Mestre em Educação Pela Universidade Federal Fluminense/UFF. Pedagoga da Unidade de Educação Infantil da Rede Municipal de Educação de Niterói.

Eda Maria de Oliveira Henriques, Universidade Federal Fluminense/UFF.Niterói/RJ.

Doutora em Educação, professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense nos cursos de Pedagogia e Licenciaturas e professora do Programa de Pós-graduação em Educação da UFF, orientando dissertações e teses voltadas para temática de formação de professores. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisa Sobre Processos de Formação Institucionais (GEPPROFI), com publicações em periódicos nacionais e internacionais sobre a temática.

Referências

ESTÉTICA. In: ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. 1.ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2014. 426 p.

BARBIERI, S.; BAROUKH, J. A. (coord.); ALVES, M. C. C. L. Interações: onde está a arte na infância? 3. ed. São Paulo: Editora Edgard Blucher, 2017. 162 p.

BARROS, M. Meu quintal é maior do que o mundo. Antologia. 9. ed. Rio de Janeiro: Editora Schwarcz, 2019. 168 p.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7.ed. Tradução: Sérgio P. R. São Paulo: Brasiliense, 1994. 256 p.

BERNARDES, R. K.et al. Segredos do coração: a escola como espaço para o olhar sensível. CadCEDES, Campinas, v. 30, n. 80, p. 72-83, jan. .∕abr. 2010.

BERNARDES, R. K. De rios e córregos que desaguam em narrativas autobiográficas: o ateliê de arte como espaço-tempo de caminhar para si. In: VIII Congresso Internacional de Pesquisa (Auto) biográfica, 8, 2018, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: UNICID, 2018.

BOLÍVAR, A. A expressividade epistêmico-metodológica da pesquisa (Auto) biográfica. In: ABRAHÃO, M. H. M. B.; BRAGANÇA, I. F. S.; ARAÚJO, M. S. (Orgs.) Pesquisa (auto) biográfica, fontes e questões. Curitiba – PR: CRV, 2014. cap. 6, p. 113-128.

BRAGANÇA, I. F. S. Histórias de vida e formação de professores/as: um olhar dirigido à literatura educacional. In: SOUZA, E. C.; MIGNOT, A. C.V. et.al. Histórias de vida e formação de professores. Rio de Janeiro: QUARTET, FAPERJ, 2008. p. 65 – 81.

CUNHA, M. I. Conte-me agora! As narrativas como alternativas na pesquisa e no ensino. Revista da Faculdade de Educação. São Paulo, v.23, n. 1-2, p. 1-7, Jan/Dez. 1997.

FERRAROTTI, F. Sobre a autonomia do método biográfico. In: NÓVOA, A; FINGER, M. (Orgs.) O método (auto) biográfico e a formação. São Paulo\Natal: Editora da UFRN; Paulus, 2010. cap 1, p. 29-55.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 25 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998. 184p.
GALEANO, Eduardo. Livro dos abraços. 27º ed. São Paulo: L&PM Pocket, 2019. 272 p.
HOYUELOS, A. A Estética no pensamento e na obra pedagógica de Loris Malaguzzi. São Paulo: Phorte, 2020. 288 p.

JOSSO, M. Experiência e Vida e formação. Tradução José Claudino e júlia Ferreira. São Paulo: Cortez, 2004. 285 p.

KRENAK, A. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019. 88 p.

LE BRETON,D. Antropologia dos sentidos.2ed. Petrópolis, RJ.: Vozes, 2020. 546p.
MORIN, E. Sobre a Estética. Rio de Janeiro: Pró-saber, 2017. 126 p.
NASCIMENTO, P. M. F. Arte e formação de professores de educação infantil: um olhar sensível sobre a docência. Niterói, 2019.144p. Projeto para exame da qualificação. Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2000.

NÓVOA, A. et. al. Vidas de professores. 2.ed. Porto/Portugal: Porto Editora, 1995. 215 p.

______________. FINGER, M. (Orgs.) O método (auto) biográfico e a formação. São Paulo\Natal: Editora da UFRN; Paulus, 2010. 214 p.

NÓVOA, A. A formação tem que passar por aqui: as histórias de vida no projeto Prosalus. In: FINGER, M. (Org.) O método (auto) biográfico e a formação. São Paulo\Natal: Editora da UFRN; Paulus, 2010. Cap. 8, p. 143-175.

OSTETTO, L. E. A arte no itinerário da formação de professores: acender coisas por dentro. Reflexão e Ação, Santa Cruz, v. 14, n.1, p. 29-43, jan./jun. 2006.

_________. Fazer à mão para falar de si: A dimensão estética na formação e nas narrativas de professores. In: MONTEIRO, F.A.; NACARATO, A.M.; FONTOURA, H.A. da(orgs.) Narrativas docentes, memórias e formação. Curitiba: CRU, 2016.

_________. Educação infantil e arte: Sentidos e práticas possíveis. Caderno de Formação: formação de professores. Educação Infantil: princípios e fundamentos. Acervo digital UNESP, v. 3, p. 27-39, mar. 2011. Disponível em: . Acesso em: 2017

RIBEIRO, T.; SOUZA, R.; SANCHES, C. (orgs.) Conversa como metodologia de pesquisa: Por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018. 216 p.

RINALDI,C. Diálogos com Reggio Emília: Escutar, investigar e aprender.Tradução Vânia Cury. São Paulo: Paz e Terra, 2012. 400 p.

TERRAGROSA, A. Da arte e da narração à sensível textura de nós. In: MARTINS, R.; TOURINHO, I.; SOUZA, Elizeu C. (orgs.) Pesquisa Narrativa: interfaces entre histórias de vida, arte e educação. Santa Maria: Ed. Da UFSM, 2017. 376 p.

VECCHI, V. Estética y aprendizaje. Prólogo. In: HOYUELOS, A. La estética em el pensamento y obra pedagógica de Loris Malaguzzi. Barcelona: Ediciones Octaedro; Rosa Sensat, 2006.
___________. Arte e criatividade em Reggio Emilia: explorando o papel e a potencialidade do ateliê na educação da primeira infância. Tradução Helena Bonini.São Paulo: Phorte, 2017. 328 p.