Diálogos entre formação de professores, avaliação e educação inclusiva

Conteúdo do artigo principal

Cleusa Inês Ziesmann
https://orcid.org/0000-0001-7114-5432
Caroline de Oliveira Schneider
https://orcid.org/0000-0003-3963-8397
Sonize Lepke
https://orcid.org/0000-0002-7053-7845

Resumo

A inclusão da criança com deficiência no ensino regular é uma temática que tem gerado inúmeras discussões. Refletir sobre a forma como os professores avaliam o processo de aprendizagem dos seus estudantes é essencial para o sucesso do processo inclusivo e para o enfrentamento das dificuldades. Dessa forma, o objetivo deste artigo é refletir sobre o processo de avaliação dos sujeitos incluídos no ensino regular e a forma como esses profissionais conseguem se movimentar diante do processo de ensino e de aprendizagem para que a sua avaliação seja realizada com respeito ao ritmo e às especificidades de cada um. Para isso, realizou-se uma revisão bibliográfica com recorte temporal entre 2018 e 2019, e coleta de dados a partir dos periódicos selecionados na área de Educação e Química e subárea da Educação Especial/Inclusiva por meio do acesso ao site da Fundação de Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), e de revistas científicas com Qualis A1 e A2, utilizando os descritores Educação Inclusiva, Avaliação, Formação Docente, e Educação de Surdos. Para a construção das análises, utilizou-se a Análise Textual Discursiva, de Moraes e Galiazzi (2011), que revelou que muitos estudos ainda são necessários. Como desdobramento desta pesquisa, optou-se pelo aprofundamento da percepção dos professores que atuam na Educação Inclusiva quanto à avaliação e ao processo de ensino na escola regular, o que denota a necessidade de os cursos de formação de professores discorrerem sobre o tema nos seus processos formativos. Nesse sentido, discutir a avaliação e o processo de ensino de estudantes com deficiência e que apresentam dificuldades, exige refletir sobre a formação inicial para a efetivação de um processo inclusivo justo, igualitário e de direito.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
ZIESMANN, C. I.; SCHNEIDER, C. de O.; LEPKE, S. Diálogos entre formação de professores, avaliação e educação inclusiva. Olhar de Professor, [S. l.], v. 24, p. 1–14, 2021. DOI: 10.5212/OlharProfr.v.24.18219.089. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/18219. Acesso em: 14 jun. 2024.
Seção
Educação Inclusiva: pesquisas, políticas e práticas pedagógicas
Biografia do Autor

Cleusa Inês Ziesmann, Universidade Federal da Fronteira Sul - campus Cerro Largo/RS - UFFS

Doutora em Educação (PUCRS). Mestre em Educação nas Ciências (Unijui). Especialista em Interpretação, Tradução e Docência de Língua Brasileira de Sinais (Uníntese). Especialista em Psicopedagogia Institucional pela Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (FACISA). Especialista em Educação Especial Inclusiva (UNIASSELVI). Graduada em Pedagogia / Orientação e Supervisão Escolar pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí). É professora na Universidade Federal da Fronteira Sul /campus Cerro Largo/RS. Líder do grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Especial/Inclusiva - GEPEI e membro do grupo de Estudos e Pesquisas GEPETEC da UFFS de Cerro Largo/RS. Atua na área de Educação, com ênfase em Educação Especial/Inclusiva, Língua Brasileira de Sinais, Atendimento Educacional Especializado e Formação de Professores (inicial e continuada).

Caroline de Oliveira Schneider, Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS

Graduada em Química Licenciatura pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) Campus Cerro Largo. Atuou como Bolsista de Iniciação Científica EDITAL UFFS/459, atuou no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência - (PIBID- Interdisciplinar) período (2017-2018), atuou no Programa Residência Pedagógica - Período (2018-2020). Membro do grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Especial/Inclusiva - GEPEI da Universidade Federal da Fronteira Sul.

Sonize Lepke, Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS

Possui graduação em História pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (2002). Especialista em Interpretação, Traduação e Docência em Libras (2009) pela Universidade Tuiuti do Paraná. Mestre em Educação nas Ciências pela Universidade Regional Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul(UNIJUÍ). Doutora pela Universidade de Caxias do Sul (UCS). Tem experiência como professora de história na Educação Básica pública e com turmas bilíngues ( Libras/ Português), na gestão e implantação das Salas de Recursos Multifuncionais na rede estadual. Atua na área de educação e história, com enfâse em Educação Inclusiva, Língua de Sinais, aprendizagem, identidade e escolarização. Atualmente é docente da Universidade Federal Fronteira Sul, campus Erechim/RS . Vice- líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Especial/Inclusiva - GEPEI e membro do Grupo de Pesquisa Educação Popular na Universidade - GRUPEPU.

Referências

ALLES, Elisiane Perufo et al. (Re) Significações no Processo de Avaliação do Sujeito Jovem e Adulto com Deficiência Intelectual. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 25, n. 3, p. 373-388, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbee/v25n3/1413-6538-rbee-25-03-0373.pdf. Acesso em: 19 dez. 2020
ALMEIDA, Ana Suzana. Da educação especial à escola inclusiva. In: MOSQUERA, J. M; STOBAÜS, C. (Org.). Educação especial: em direção à educação inclusiva. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003.
ALZATE, Jorge Iván Correa. A avaliação da aprendizagem no contexto da justiça educativa para população com deficiência na educação superior. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 24, n. 1, p. 89-102, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbee/v24n1/1413-6538-rbee-24-01-0089.pdf. Acesso em: 19 dez. 2020.
Association of Intellectual and Developmental Disability. (2010). Intellectual disability: definition, classification, and systems of supports (11th ed). The AAIDD Ad Hoc Committee on Terminology and classification.
BORGES, Adriana Araújo Pereira; CAMPOS, Regina Helena de Freitas. A Escolarização de Alunos com Deficiência em Minas Gerais: das Classes Especiais à Educação Inclusiva. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 24, n. SPE, p. 69-84, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbee/v24nspe/1413-6538-rbee-24-spe-0069.pdf. Acesso em: 19 dez. 2020.
BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9394/96. Brasília, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 27 mar. 2021.
BRASIL. Lei nº 12.796 de 2013. Altera a lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12796.htm#art1. Acesso em: 27 mar. 2021.
CRUZ, Antonio Carlos dos Santos. Panorama do processo de avaliação na Educação de Jovens e Adultos em Vila Velha, Espírito Santo. Educação (UFSM), v. 44, p. 83-1-23, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/38111/pdf. Acesso em: 19 dez. 2020.
GAIO, Roberta.; MENEGHETTI, Rosa Gitana. Krob. Caminhos pedagógicos da educação especial. 3ª edição. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.
LARROSA, Jorge.; SKLIAR, Carlos. (Org.). Habitantes de Babel: política e poética da diferença. Belo Horizonte: Atlântica, 2002.
LÜCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 1995.
LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986. 38p.
MANTOAN, Maria Teresa Égler. Inclusão escolar: O que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Moderna, 2003.]
MENDES, Enicéia Gonçalves. Desafios atuais na formação do professor de educação especial. In: MEC, Secretaria de Educação Especial. Revista Integração, 2002.
MORAES, Roque. GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise textual discursiva. Ijuí: Unijuí, 2011.
MOROSINI, Marília Costa. Estado de conhecimento e questões do campo científico. Educação. Santa Maria, jan /abr. 2015, v. 40, n° 1, p. 101-116
MOROSINI, Marília Costa; FERNANDES, Cleoni Maria Barboza. Estado do Conhecimento: conceitos, finalidades e interlocuções. Educação Por Escrito, Porto Alegre, v. 5, n. 2, p. 154-164, jul/dez. 2014.
SANCHES, Isabel Rodrigues; SILVA, Polliana Barboza da. A inclusão de estudantes surdos no ensino superior brasileiro: O caso de um curso de Pedagogia. Revista Portuguesa de Educação, v. 32, n. 1, p. 155-172, 2019. Disponível em: https://revistas.rcaap.pt/rpe/article/view/14955/14234. Acesso em: 27 de dez. de 2020.
SÁNCHEZ, Pilar Arnaiz. A Educação Inclusiva: um meio de construir escolas para todos no século XXI. In: Inclusão - Revista da Educação Especial. Brasília, 2005. Disponível em:< http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/revistainclusao1.pdf>. Acesso em: 13 jan. 2021.
SANTANA, Ronaldo Santos; SOFIATO, Cássia Geciauskas. Ensino de Ciências para todos: uma experiência com um estudante com deficiência intelectual. Educação (UFSM), v. 44, p. 27-1-27, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/34206/pdf. Acesso em: 19 de dez. de 2020.
SILVA, Mariane Carloto da; PAVÃO, Sílvia Maria de Oliveira. Terminalidade específica para estudantes com deficiência na educação superior: práticas (a serem) implementadas? Revista Brasileira de Educação, v. 24, 2019. Disponível em:https://www.scielo.br/pdf/rbedu/v24/1809-449X-rbedu-24-e240054.pdf. Acesso em: 19 dez. 2020.
SOARES. Maria Aparecida Leite. A educação do surdo no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados; Bragança Paulista: EDUSF, 1998.
VASCONCELLOS, C. dos S. Avaliação: concepção dialética libertadora do processo de avaliação escolar. 17ª ed. São Paulo: Libertad, 1994.
VASCONCELOS, C. dos S. Avaliação da aprendizagem: práticas de mudanças. São Paulo: Libertad – Centro de Formações e Assessoria Pedagógica, 1998.
VOOS, Ivani Cristina; GONÇALVES, Fábio Peres. O Desenvolvimento Profissional de Docentes da Educação Especial e o Ensino de Ciências da Natureza para Estudantes Cegos e Baixa Visão. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 25, n. 4, p. 635-654, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbee/v25n4/1413-6538-rbee-25-04-0635.pdf. Acesso em: 27 dez. 2020.
ZIESMANN, Cleusa Inês. Inclusão, experiências e práticas pedagógicas: o atendimento educacional especializado na Educação Básica na perspectiva de Vygotsky. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Porto Alegre, 2018.
ZIESMANN, Cleusa Inês; GUILHERME Alexandre Anselmo. Inclusão no atendimento educacional especializado na Educação Básica: um estudo de caso. Revista Contexto & Educação, 2020, vol. 35, p. 86-104.